Projetos da APDP promovem a prevenção e controlo do pé diabético

Há um ano a realizar cuidados de podologia em projetos de prevenção e controlo do pé diabético em três concelhos do Alentejo, a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) revela que 82% dos indivíduos rastreados tem um risco moderado a elevado de desenvolver ulceração. Estes projetos verificaram ainda que a prevalência de diabetes nas IPSS participantes é de 23,8%.

 

Lisboa, 28 de fevereiro de 2020

 

O projeto de Intervenção em Lares e Centros de Dia no Pé Diabético (PEDIAP) e o projeto de Intervenção em Centros de Dia e Domicílios (PEDIAB), foram realizados pela APDP, com cofinanciamento da Direção-Geral da Saúde, em três concelhos do Alentejo, nomeadamente, Alcácer do Sal, Montemor-o-Novo e Vendas Novas. Estes projetos, com a duração de um ano, tiveram como objetivo avaliar, prevenir e tratar o pé diabético através de cuidados de podologia, promovendo assim a diminuição de feridas e amputações.

As intervenções, realizadas em 18 Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), incluíram o rastreio, com classificação do risco para lesões, os tratamentos necessários aos casos de médio e alto risco e a sensibilização e educação dos cuidadores formais e informais para o pé diabético. Estes projetos contaram com 334 participantes e através deles foram realizadas 37 formações e 638 tratamentos.

“A nível nacional 20 a 25% das admissões hospitalares de pessoas com diabetes acontecem devido ao pé. E, neste momento, o pé diabético é a causa de mais de mil amputações dos membros inferiores. A nossa preocupação com o Alentejo deve-se à inexistência de cuidados estruturados e ao fraco acesso a cuidados de prevenção” refere José Manuel Boavida, presidente da APDP.

Estes projetos permitiram-nos verificar que “a prevalência de diabetes nas IPSS é de 23,8% e que 18% dos indivíduos tem um risco baixo de ulceração, 44% risco moderado e 38% risco elevado”, revela.

“Na ótica dos beneficiários, este projeto permitiu a otimização dos cuidados locais através de cuidados especializados de proximidade, prevenção de feridas e amputações, tratamento e cura de feridas já existentes, bem como redução dos danos estabelecidos. Para além de promover a consciencialização para este problema e a valorização e alívio das dificuldades locais sentidas pelos cuidadores formais e informais.” conclui José Manuel Boavida.

 

Sobre o Pé Diabético:

O pé diabético é uma grave complicação da diabetes, pela sua elevada incidência nas pessoas com diabetes e pelo risco associado de amputação do(s) membro(s) inferior(es), condenando a pessoa com diabetes à perda da sua autonomia, com impacto negativo na sua qualidade de vida e do seu núcleo familiar.

A Organização Mundial de Saúde define o pé diabético como toda a infeção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associada a alterações neurológicas e/ou doença vascular periférica dos membros inferiores da pessoa com diabetes.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!