Investigação estuda efeito dos campos de férias da APDP na autogestão da diabetes dos adolescentes

Na quinta do Crestelo, em Seia, está a decorrer o 22.º campo de férias da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), de 4 a 9 de agosto de 2019. Todos os participantes têm diabetes tipo 1 e ali aprendem, também, a lidar melhor com a sua doença.

Este ano, a equipa de saúde da APDP está a desenvolver, no terreno, o estudo “Efeito do campo de férias em adolescentes com diabetes tipo 1”. Através da aplicação de questionários e da dinamização de novas estratégias na formação de grupos, pretende-se compreender o efeito que o campo de férias da APDP tem na autogestão da diabetes dos adolescentes participantes. Este estudo integra-se no âmbito do projeto de investigação Lay LeDUD Diabetes Tipo 1, da Unidade de Investigação da Escola Superior de Enfermagem de Lisboa em parceria com a APDP.

O projeto Lay LeDUD Diabetes Tipo 1 é um programa de intervenção com pares, que assumem o papel de peritos e motivadores para a mudança de comportamentos. O objetivo é estimular os jovens a criarem os seus planos de ação e a prepararem-se para um desempenho adequado perante situações do dia a dia.

Os campos de férias da APDP acontecem desde 1997 e englobam jovens dos 13 aos 18 anos. São 32 participantes, 4 monitores e 2 super-monitores, com diabetes tipo 1, que, durante uma semana, praticam atividades lúdicas e desportivas. Junto de uma equipa de saúde multidisciplinar, composta por 7 profissionais de saúde, procura-se prevenir o isolamento que a doença muitas vezes provoca, sendo que a troca de experiências aliada à diversão é o lema principal deste grupo.

“A ideia dos campos de férias é proporcionar uma semana de partilha e de aprendizagem entre a equipa de saúde e os jovens. Para os jovens, é um momento para conhecerem outros jovens com diabetes tipo 1 e cultivarem amizades. Para a equipa de saúde, é também uma oportunidade para aprofundarmos o conhecimento sobre a doença, pois a convivência diária com estes jovens ensina-nos muito”, explica João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!