ABC da Diabetes

Que tipos de diabetes existem?

– Diabetes Tipo 1
– Diabetes Tipo 2
– Diabetes Gestacional
– Outros tipos de Diabetes

Existem outros tipos de diabetes além do Tipo 1, Tipo 2 e Gestacional, mas esses ocorrem com muito menor frequência. São eles:

– Diabetes Tipo LADA (Latent Autoimmune Diabetes in Adults):  costuma ser confundido com a diabetes do tipo 2. A maior incidência concentra-se em pacientes entre 35 e 60 anos. A manutenção do controle de glicemia é o principal objetivo do tratamento do portador de diabetes tipo LADA. Um aspecto que deve ser levado em conta, refere-se à progressão para a necessidade de terapia com insulina.

– Diabetes tipo MODY (Maturity-Onset Diabetes of the Young) que afecta adultos jovens mas também adolescentes e crianças. Apresentam-se com características de diabetes tipo 2 e são causadas por uma mutação genética que leva a uma alteração da  tolerância à glucose.

– Diabetes Secundário ao Aumento de Função das Glândulas Endócrinas (Ex: doença de Cushing, acromegalia ou gigantismo, feocromocitoma, glucagenoma)

– Diabetes Secundário a Doenças Pancreáticas (Exemplos: pancreatite crónica, Destruição pancreática por depósito de ferro denominado hemocromatose)

– Resistência Congênita ou Adquirida à Insulina

– Diabetes Associado a Poliendocrinopatias Auto-Imunes

– Diabetes Relacionados à Anormalidade da Insulina (Insulinopatias)

 

ref. (1) (2) (3) (4) (5)

Diabetes Tipo 1

 

A Diabetes Tipo 1, também conhecida como Diabetes Insulino-Dependente é mais rara (a sua forma juvenil não chega a 10% do total) e atinge na maioria das vezes crianças ou jovens, podendo também aparecer em adultos e até em idosos. Na Diabetes do Tipo 1, as células ß do pâncreas deixam de produzir insulina pois existe uma destruição maciça destas células produtoras de insulina. As causas da diabetes tipo 1 não são, ainda, plenamente conhecidas.

Contudo, sabe-se que é o próprio sistema de defesa do organismo (sistema imunitário) da pessoa com Diabetes, que ataca e destrói as suas células b.

Estas pessoas com Diabetes necessitam de terapêutica com insulina para toda a vida porque o pâncreas deixa de a poder fabricar. A causa desta Diabetes do tipo 1 é, pois, a falta de insulina e não está directamente relacionada com hábitos de vida ou de alimentação errados, ao contrário do que acontece na diabetes Tipo 2.

ref. (1) (2) (3) (4) (5)

Diabetes Tipo 2

É, sem dúvida, o tipo mais comum de Diabetes. É causada por um desequilíbrio no metabolismo da insulina.

A Diabetes tipo 2 tem como principais fatores de risco a obesidade, o sedentarismo e a predisposição genética.

Na Diabetes tipo 2 existe um défice de insulina e resistência à insulina significa isto que, é necessária uma maior quantidade de insulina para a mesma quantidade de glicose no sangue. Por isso as pessoas com maior resistência à insulina podem, numa fase inicial, apresentar valores mais elevados de insulina e valores de glicose normais. À medida que o tempo passa, o organismo vai tendo maior dificuldade em compensar este desequilíbrio e os níveis de glicose sobem.

Embora tenha uma forte componente hereditária, este tipo de Diabetes pode ser prevenido controlando os fatores de risco modificáveis.

ref. (1) (2) (3) (4) (5)

Diabetes Gestacional

A Diabetes Gestacional é a que ocorre durante a gravidez. Esta forma de diabetes surge em grávidas que não tinham Diabetes antes da gravidez e, habitualmente, desaparece quando esta termina.

Contudo, quase metade destas grávidas com Diabetes virão a ser, mais tarde, pessoas com Diabetes do tipo 2 se não forem tomadas medidas de prevenção.

A Diabetes Gestacional ocorre em cerca de 1 em cada 20 grávidas e, se não for detectada através de análises e a hiperglicemia corrigida com dieta e, por vezes com insulina, a gravidez pode complicar-se para a mãe e para a criança. São vulgares os bebés com mais de 4 Kg à nascença e a necessidade de cesariana na altura do parto. Podem, por exemplo ocorrer abortos espontâneos.

Na primeira consulta de gravidez deverá fazer uma avaliação da glicemia em jejum.

Se o resultado for positivo tem Diabetes gestacional e serão necessários vários cuidados com a alimentação e estilo de vida.

Se o resultado for negativo deve manter os seu cuidados e vigilância.

Na consulta das 24/28 semanas deverá fazer a Prova da Tolerância à Glicose Oral (PTGO).

Se já teve Diabetes gestacional, e pretende voltar a engravidar é aconselhado que faça uma avaliação pré concecional, isto é, deve fazer despiste de Diabetes antes de tentar engravidar. Nestes casos a probabilidade de voltar a ter Diabetes Gestacional é de 30% a 50%.

 

ref. (6)

Outros tipos de diabetes

Existem alguns tipos de Diabetes que não se enquadram em nenhuma das categorias anteriores, e que são pouco frequentes.

São causados por alterações conhecidas como defeitos nas células beta, alterações na ação da insulina, doenças do pâncreas, endocrinopatias diversas, entre outros.

Valores de referência

A imagem abaixo exemplifica as diferenças na quantidade de glicose no sangue.

ref. (2) (7) (3) (4) (1)

Hiperglicemia

Dá-se o nome de glicemia à quantidade de glicose no sangue. Ao aumento excessivo da glicemia, chama-se Hiperglicemia.

A diabetes é uma doença que se caracteriza pela hiperglicemia que se deve em alguns casos, à insuficiente produção de insulina pelo organismo, noutros casos à insuficiente ação da insulina e frequentemente, à combinação destes dois factores.

As pessoas sem diabetes devem ter uma glicemia entre 80 e 110 mg/dl antes das refeições e entre 110 e 140 mg/dl depois das refeições.

Uma pessoa com diabetes deve tentar aproximar-se o mais possível destes valores ou atingir os objetivos indicados pela equipa de saúde, que são variáveis e individualizáveis, consoante a idade da pessoa e os anos de evolução da diabetes.

A insulina é uma hormona que faz naturalmente parte do organismo, e que serve essencialmente para fazer com que o açúcar existente no sangue – que é a nossa fonte energética principal – seja bem aproveitado, para nos dar energia.

Quando isto não acontece, as pessoas sentem-se com falta de forças e ficam com hiperglicemia.

Quando a glicemia está muito elevada, podem existir sintomas com:

  • Urinar em grande quantidade e mais vezes
  • Ter sede constante e intensa
  • Sensação de boca seca
  • Fome constante e difícil de saciar
  • Cansaço
  • Comichão no corpo (sobretudo ao nível dos órgãos genitais)
  • Visão turva

Um passo importante para ajudar a estabilizar os valores de glicemia na diabetes e que depende exclusivamente de cada pessoa, é a aquisição de hábitos de vida saudáveis, o que implica seguir um plano alimentar saudável e ajustado às necessidades de cada um e a prática de actividade física, (como por exemplo, andar a pé no dia-a-dia.)

Se mesmo tendo estes cuidados, e fazendo a restante terapêutica aconselhada, a hiperglicemia se mantiver é aconselhável falar com a equipa de saúde que o acompanha, pois pode ser necessário ajustar o seu tratamento.

Há hiperglicemias ocasionais, que podem ser provocadas por:

  • Uma ingestão excessiva em hidratos de carbono nas refeições anteriores
  • Uma situação de stress
  • Alterações na acção da medicação como sejam alterações na absorção intestinal dos medicamentos ou problemas técnicos na administração de insulina
  • Períodos de doença aguda como sejam infecções urinárias, respiratórias, intestinais…
  • Outros

Quaisquer que sejam as causas da hiperglicemia existe uma atitude básica e geral que pode ser feita pelo próprio indivíduo – aumentar a ingestão de água durante esse período de descompensação.

Para detectar esta situação e para que a pessoa possa estar a par do que se passa no seu organismo, convém fazer o autocontrolo sugerido pela equipa de saúde.

Sintomas

Os sintomas da Diabetes são causados pelas quantidades de açúcar no sangue.

Então podemos ter sintomas associados ao aumento dos níveis de açúcar – Hiperglicemia, ou à diminuição dos níveis de açúcar – Hipoglicemia.

 

HIPOGLICEMIA

A hipoglicemia geralmente ocorre em diabéticos que utilizam fármacos para controlar a doença, sejam eles insulina ou antidiabéticos orais.

Esta condição pode acontecer essencialmente por três motivos (isolados ou em conjunto): toma excessiva/incorreta da medicação, jejum prolongado e exercício físico inadequado.

Os níveis de açúcar no sangue não devem estar abaixo dos 70mg/dl.

Se toma medicamentos para controlar a Diabetes é necessário ter muita atenção com a alimentação para que os níveis de açúcar não desçam demasiado.


ref. (2) (8) (3) (4)

 

HIPERGLICEMIA

A hiperglicemia pode acontecer nas pessoas com diabetes mal controlada ou quando existe ingestão de uma grande quantidade de hidratos de carbono.

Esta condição pode causar sintomas como:

Sintomas na criança e no jovem
Quase sempre na criança e nos jovens a diabetes é do tipo 1 e aparece de maneira súbita e os sintomas são muito nítidos.

  • Urinar muito (por vezes, pode voltar a urinar na cama)
  • Ter muita sede
  • Emagrecer rapidamente
  • Grande fadiga com dores musculares
  • Dores de cabeça, náuseas e vómitos

Quaisquer dos outros sintomas já atrás referidos podem também estar presentes. Perante estes sintomas, o diagnóstico de Diabetes deve ser rápido, seguido do início do tratamento com insulina pois, se não o fizer, a pessoa com Diabetes entra em Coma Diabético e corre perigo de vida.

 

Sintomas do adulto 
A grande maioria dos adultos com Diabetes após os 35 anos são do tipo 2. No adulto é habitual a Diabetes não dar sintomas no seu início e, por isso, pode passar despercebida durante anos. O sintomas só aparecem quando a glicemia está muito elevada e, habitualmente, de modo mais lento que na criança ou jovem. Contudo, o açúcar elevado vai provocando os seus estragos mesmo sem se dar por isso. E é essa a razão pela qual, às vezes, já podem existir complicações (nos olhos, por exemplo) quando se descobre a diabetes. Uma pessoa pode ter uma Diabetes, impropriamente chamada, “ligeira”, a qual só é descoberta ao realizar uma análise de sangue ou ao apresentar alguns dos sintomas pouco marcados, já referidos, e que levam à suspeita do diagnóstico.

ref. (2) (8) (3) (4)

O Diagnóstico da Diabetes

O diagnóstico é feito através dos sintomas que a pessoa manifesta e é confirmado com análises de sangue. Outras vezes podem não existir sintomas e o diagnóstico ser feito em exames realizados por outra causa.
Os sintomas relacionados com o excesso de açúcar no sangue aparecem, na diabetes tipo 2, de forma gradual e quase sempre lentamente. Por isso, o início da diabetes tipo 2 é muitas vezes difícil de precisar.
Os sintomas mais frequentes são a fadiga, poliúria (urinar muito e com mais frequência) e sede excessiva. Muitas vezes o doente não apresenta estes sintomas (ou dá-lhes pouca importância) e o diagnóstico é feito por análises de rotina.
Nas análises encontramos uma quantidade de açúcar no sangue aumentada (hiperglicemia) e aparece açúcar na urina (glicosúria).

 

Pode ser uma pessoa com Diabetes: 
Se tiver uma glicemia ocasional de 200 mg/dl* ou superior com sintomas
Se tiver uma glicemia em jejum (8 horas) de 126 mg/dl ou superior em 2 ocasiões separadas de curto espaço de tempo

ref. (1) (9) (10)

ANÁLISES SANGUÍNEAS

Fazer análises ao sangue é importante pois, a partir desta, vai ser possível avaliar não só a glicemia mas também outros parâmetros importantes.

Alguns resultados dependem do peso, sexo, altura e idade.

O seu médico irá explicar-lhe os resultados da sua análise sanguínea adaptando ao seu caso.

Existem alguns valores de referência para os parâmetros de hemoglobina, hematócrito, colesteroltriglicerídeos e hemoglobina glicada.

O componente principal dos glóbulos vermelhos é a hemoglobina. A hemoglobina é uma proteína que transporta o oxigénio para todo o organismo.  A hemoglobina retira, também, o dióxido de carbono das células.

A anemia ocorre quando os indivíduos têm os valores de hemoglobina diminuídos. É necessário acompanhamento médico bem como é recomendado que inicie uma dieta rica em ferro. O ferro é essencial para que a hemoglobina execute as suas funções. O organismo humano tem cerca de 4 gramas de ferro, dois terços deste encontra-se na hemoglobina.

O hematócrito é a percentagem do volume total de sangue composta por glóbulos vermelhos, por outras palavras é a quantidade de glóbulos vermelhos no sangue.

Uma redução do hematócrito indica uma diminuição do volume de glóbulos vermelhos. Isto pode relacionar-se com vários problemas e aconselha-se que consulte o seu médico.

O colesterol pertence ao grupo dos lípidos (gorduras).

O colesterol não é todo igual, exitem dois tipos: o HDL que significa, em inglês, High density lipoprotein e o LDL que significa Low density lipoprotein.

O primeiro tipo, HDL, é o preferível, já que transporta o colesterol para o fígado, diminuindo assim a quantidade de colesterol no sangue. Este tipo de colesterol deve estar acima dos 50mg/dl para que seja protetor contra doenças cardiovasculares.

O segundo tipo, o LDL, é chamado de “colesterol mau” por que estas lipoprotéinas transportam o colesterol do fígado e do intestino para as células do organismo. Quando aumentado é um forte fator de risco cardiovascular.

Os triglicerídeos  também são gorduras que se acumulam no organismo, nomeadamente no sangue.

A acumulação excessiva, acima dos 200mg/dl, desta gordura faz com que se inicie a formação de placas nas artérias, aumentado a possibilidade de enfarte ou de acidente vascular cerebral.

Também pode ser chamada de hemoglobina glicosilada (HbA1c).

É uma forma de hemoglobina resultante de reações entre a hemoglobina e a glicose. Esta é extremamente útil na avaliação da glicemia por períodos prolongados.

A hemoglobina glicada serve para monitorizar o controlo da Diabetes de uma forma mais contínua. Assim a pessoa com Diabetes deve fazer esta análise trimestralmente, pois esta vai permitir analisar a glicemia num período de 60 a 90 dias.

O valor da hemoglobina glicada deve estar abaixo dos 6,5%, no entanto este valor não deve ser conseguido à custa de hipoglicemias. É importante referir que, dependendo de cada caso os objetivos no valor da hemoglobina glicada podem ser superiores a 6,5%, por isso deve sempre conversar com o seu médico sobre esta questão.

O doente diabético deve fazer avaliação da hemoglobina glicada semestralmente ou trimestralmente, dependendo dos casos.

Esta medição é vantajosa porque fornece ao médico informação sobre a glicemia nos últimos 3 meses. Tem também como vantagem o facto de a colheita não precisar de ser feita em jejum, uma vez que esta pode ser realizada em qualquer altura do dia.

URINA

Fazer a análise da urina é importante para que o seu médico possa avaliar a sua função renal.

Os rins são dos principais órgãos afetados na Diabetes, por isso, controlar é a melhor forma de averiguar a progressão da doença.

A albuminúria é a presença de albumina na urina. A albumina é uma proteína do plasma que ajuda a regular os movimentos da água entre os tecidos e o sangue.

A presença, acima de certos valores, desta proteína na urina indica que os rins não estão a funcionar corretamente por isso é tão importante avaliar a quantidade de albumina na urina.

A quantidade de liquido que o rim produz por minuto é a Taxa de filtração Glomerular (TFG).

São produzidos 125ml de filtrado por minuto o que corresponde a 180 litros por dia. Assim a taxa de filtração glomerular dá-nos indicação do trabalho dos rins. Quanto mais diminuída estiver a TFG mais comprometida está a função do rim.

Podemos classificar a doença renal em 5 estadios que aumentam progressivamente a gravidade à medida que diminui a TFG.

Por isso a sua avaliação e controlo é tão importante.

PROVA DE TOLERÂNCIA À GLICOSE

A prova de tolerância à glicose (PTGO) está indicada quando os níveis de glicemia se encontram acima de 126mg/dl em jejum e acima de 200mg/dl em medições ocasionais.

Para fazer a PTGO é necessário um jejum de 8h.

Em função dos valores obtidos:

  • Realizado o diagnóstico de diabetes quando: Glicémia em jejum ≥ 126 mg/dl (7 mmol/l) ou glicose plasmática ≥ 200 mg/dl (11.1 mmol/l) após  a PTGO
  • Realizado o diagnóstico de Pré-diabetes quando:
    • Glicémia em jejum: 100-125 mg/dl (5,6-6,9 mmol/l) – categoria de Anomalia da Glicémia em jejum
    • Glicémia 2h apos PTGO: 140-199 mg/dl (7,8 -11 mmol/l) – categoria de Tolerância diminuída á glicose

ref.(6)

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password